Passar para o conteúdo principal

Identificação de defeitos de pintura

Toda a informação sobre O MÉTODO DO LIXAMENTO ATÉ AO SUBSTRATO

MÉTODO DO LIXAMENTO ATÉ AO SUBSTRATO

O método do lixamento até ao substrato é um meio simples de diagnosticar com maior precisão e no local um defeito de pintura e determinar as medidas de reparação adequadas. As diferentes camadas da pintura ficam visíveis na área lixada até ao substrato. Este método permite identificar os materiais utilizados, a ordem pela qual as camadas foram aplicadas e a espessura aproximada da película de cada produto. Contribui igualmente para identificar erros de aplicação. Para o fazer, a área danificada é lixada até expor o metal.

Este lixamento pode ser feito com papel de lixa P240. Para acabamento, deve utilizar lixa com uma granulação tão fina quanto possível (p. ex., P600 húmida). Para poder avaliar a transição entre as diferentes camadas da pintura e os resultados do lixamento intermédio, pode polir-se ligeiramente a área lixada até ao substrato.

Durchschliffmethode
Durchschliffmethode

Para que defeitos da pintura pode o método ser utilizado?

Através deste método é possível analisar os seguintes defeitos da pintura:

  • Formação de bolhas (ver também capítulo sobre “Formação de bolhas”). As bolhas demarcam-se como pontos de cor diferente na camada seguinte, visto que a tinta de acabamento está levantada nesta área.
  • Fissuração (ver também capítulo sobre “Fissuração”). A profundidade de uma fissura na pintura pode detetar-se facilmente na área lixada até ao substrato. Aplicar demão de controlo ou tinta de impressão na superfície antes do lixamento para uma melhor identificação (deixar pingar o material para a fissura e deixar secar).
  • Fervuras (ver também capítulo sobre “Fervuras”). Este tipo de defeito pode muitas vezes ser confundido com oclusões de impurezas e nem sempre é fácil de identificar. O defeito manifesta-se como pequenas cavidades na camada afetada.
  • Crateras (ver também capítulo sobre “Crateras”). As crateras manifestam-se como depressões rasas na pintura antiga ou na superfície da pintura nova ou ainda como problemas de molhagem do substrato.
  • Bicos de alfinete (ver também capítulo sobre “Bicos de alfinete”). Os bicos de alfinete resultam de fervuras de solvente ou poros no substrato.
  • Marcas de lixamento/Afundamento: As marcas de lixamento surgem como riscos coloridos na camada de pintura. O desenho das marcas de lixamento indica o método utilizado (manual ou mecânico).
  • Número de camadas da pintura antiga: Como os círculos concêntricos no tronco de uma árvore, as camadas da pintura antiga ficam à vista depois do lixamento até ao substrato. Com este método é possível verificar com exatidão quantas camadas de tinta foram aplicadas no carro e se existe o perigo de excesso de revestimento se for aplicada mais uma pintura.